in

Suzane, que matou a mãe, volta a ter o direito de sair da prisão no Dia das Mães

Ela estava impedida pela Justiça de sair da prisão em datas especiais

Há uma velha máxima que diz o Brasil ser o país da piada pronta pela variada gama de absurdos em nosso dia-a-dia, sejam pelas extravagâncias culturais, pelas malandragens da nossa classe política e, importante, pelas nossas aberrações jurídicas.

Neste último quesito podemos encontrar em nosso Judiciário vastos exemplos de “piada pronta”. Uma, que ganhou repercussão até internacional, diz respeito à garota que assassinou os pais, foi presa e, pasmem, ganhou o direito de sair da prisão no… Dias das Mães!

É o caso da prisioneira Suzane von Richthofen, que matou a mãe em 2002 e agora terá o direito novamente de poder sair na data comemorativa. Ela havia sido punida com o benefício das saídas temporárias em fevereiro, após a Justiça descobrir que ela esteve numa festa na saída de Natal do ano passado.

Agora, a 5ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) decidiu cancelar a punição. O habeas corpus da defesa de Suzane foi julgado e deferido. Deste modo, a famosa presa terá o direito de sair da cadeia no próximo Dias das Mães, que acontecerá neste ano no dia 12 de maio.

Suzane com o namorado, numa das últimas saídas temporárias

Suzanne havia perdido o direito das saídas temporárias depois que foi descoberta numa festa de casamento, na cidade de Taubaté, no interior paulista. Ela tinha avisado às autoridades policiais que passaria o tempo de liberdade na residência do namorado, em Angatuba.

A informação chegou à juíza Wania Regina da Cunha, da Vara de Execuções Criminais de Taubaté. A magistrada avaliou que a ida de Suzane a uma festa foi uma falta grave e em fevereiro deste ano decidiu cancelar as saídas temporárias. De acordo com a determinação judicial, Suzane tinha a obrigação de seguir diretamente da prisão para a casa do namorado.

O caso von Richthofen

Marísia e Manfred  Von Richthofen, pais de Suzane

Suzane von Richthofen foi condenada a 39 anos de prisão por ter planejado a morte dos próprios pais, Manfred e Marísia Richthofen, na companhia dos irmãos Daniel, que na época era seu namorado, e Cristian Cravinhos, cunhado da jovem. O bárbaro crime ocorreu em outubro de 2002 e a assassina dos pais já cumpriu 16 anos de sua pena. Dos três envolvidos no assassinato, apenas Daniel saiu da prisão para cumprir a pena em regime aberto.

Escrito por Carlos

O lado desumano do SUS: garotinha com câncer está há 2 meses sem receber quimioterapia

Léo Índio, primo dos filhos de Bolsonaro, vai para o Senado ganhar salário de R$ 22 mil