in

Situação de soldados do Exército se complica mais: morre segunda vítima de ação desastrada

Catador que tentou ajudar família no carro e foi baleado, morre na manhã de hoje (18)

A desastrada operação de uma patrulha do Exército, ocorrida no último dia 7 deste mês, no Rio de Janeiro, provocou mais uma vítima fatal. O catador de materiais recicláveis Luciano Macedo, que foi baleado naquela ocasião e estava internado em estado crítico, não resistiu às grave lesões e morreu na manhã desta quinta-feira (18). A informação foi confirmada pelos familiares.

Luciano estava internado desde o dia 7 no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes. A unidade hospitalar fica próxima ao local da operação desastrada do Exército. Ainda ontem (17), a Justiça havia determinado que o catador fosse transferido para o Hospital Moacyr Carmo, em Duque de Caxias. Todavia, não foi feita em face do estado de saúde dele, considerado gravíssimo.

O catador foi uma das vítimas de uma ação desastrada impetrada por uma patrulha do Exército, em Guadalupe, Zona Norte do Rio de Janeiro. Ele foi atingido por disparo de fuzil quando tentava socorrer uma família que estava num veículo branco, alvo de cerca de 80 tiros disparados pelos soldados.

O catador Luciano e o motorista Evaldo: vítimas de ação desastrada do Exército

No carro, estava uma família que se deslocava para um chá de bebê. O motorista Evaldo dos Santos Rosa foi atingido e morreu na hora. O sogro dele, Sérgio Guimarães de Araújo, recebeu um tiro nas nádegas e continua internado num hospital de Realengo.

A esposa de Evaldo, o filho de apenas 7 anos e uma amiga da família nada sofreram, escapando com vida por milagre, diante do intenso tiroteio.

De acordo com o Comando Militar do Leste, dos 12 militares envolvidos na ação, nove foram presos após prestarem depoimento sobre o ocorrido. A investigação corre em segredo pela Justiça Militar.

Soldados teriam confundido família com ladrões

De acordo com as investigações preliminares, os militares teriam confundido o carro da família com um sedã branco, do mesmo modelo, roubado pouco tempo antes. Meia hora antes, por volta das 14h, um motorista prestou queixa na Delegacia de Polícia de Marechal Hermes. Ele reportou que seu veículo havia sido tomado de assalto por cinco homens armados. Os homens do Exército teriam sido avisados do roubo.

Jurista diz que os ministros Toffoli e Moraes “fizeram uma dupla para estabelecer o terrorismo”

Mergulhador que salvou meninos na Tailândia se perde em caverna a 120 metros de profundidade