in

Rússia apresenta submarino e drone que podem provocar tsunamis e varrer cidades do mapa

As terríveis armas devem ficar prontas em 2020

A Rússia lançou seu mais recente submarino nuclear sob o olhar atento do presidente Vladimir Putin. O submarino, chamado Belgorod, foi lançado da fábrica de Sevmash, no noroeste da Rússia, na semana passada, enquanto Putin observava tudo via teleconferência.

A Belgorod foi projetada para transportar drones Poseidon com armas nucleares, uma arma do juízo final que a Rússia diz que será capaz de destruir cidades inteiras ao desencadear um tsunami.

Mikhail Budnichenko, diretor do estaleiro, disse durante a cerimônia de lançamento que “os construtores navais da empresa cumprirão todas as tarefas de construir navios dentro do prazo estabelecido e com alta qualidade”.

O submarino ficará pronto quando reator nuclear terminar os testes ainda este ano, com testes marítimos marcados para 2020 e desdobramento até o final daquele ano.

O Belgorod, que transportará o drone Poseidon

Putin mencionou pela primeira vez o drone, que é movido a energia nuclear, entre uma série de outras novas armas em um discurso sobre o estado da nação no ano passado, dizendo que eles tornariam inúteis os sistemas de defesa antimísseis dos EUA.

Os drones são construídos em uma forma similar aos torpedos, mas são muito maiores que as armas convencionais – medindo até 79 pés de comprimento – e é por isso que eles precisam ser carregados por submarinos especialmente projetados.

Uma vez lançada, a arma pode ser controlada remotamente para contornar as defesas e tem um alcance teoricamente ilimitado graças ao seu motor de reator nuclear. Relatos sobre sua velocidade variaram, chegando a 70 quilômetros por hora e chegando a 124 km / h, o que dificulta muito intercepta-lo.

As armas também poderiam atuar como veículos submarinos não tripulados (UUVs), capazes de operar milhas abaixo das ondas para mapear o fundo do oceano, usando um sistema de geração de imagens de sonar conhecido como varredura lateral.

O drone Poseidon, que será capaz de provocar tsunamis

No entanto, os UUVs também podem ser utilizados para sabotar cabos de energia submarinos e de internet durante conflitos. O submarino gigante também tem um mini-submarino de 180 pés embaixo dele. A nave leva 25 homens e pode ser usada para pesquisa, resgate e operações militares especiais.

No que é considerado um desenvolvimento sinistro, os comandantes do submarino se reportarão diretamente ao presidente Putin, e não ao alto escalão naval do país, tornando Belgorod mais parecida com uma agência de inteligência do fundo do mar do que um submarino convencional.

Espera-se que o Belgorod opere no Ártico e no Atlântico Norte – áreas onde a atividade submarina russa aumentou dez vezes nos últimos anos.

Partido de esquerda vence as eleições na Espanha, mas ainda não tem maioria para governar

Alô, alô você que deve ao Fies: prazo para renegociação da dívida começa nesta segunda-feira