in

Mais uma polêmica de Damares: “Na minha concepção cristã, mulher no casamento é submissa ao homem”

Declaração foi dada durante audiência na Câmara dos Deputados

Parece que a vocação da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, é a de sempre provocar polêmica quando vai à Câmara dos Deputados. Em visitas anteriores, ela bateu boca com parlamentares e chegou até a chorar com as críticas feitas a ela por uma deputada da oposição.

Desta feita, Damares participou de mais uma audiência nesta segunda-feira (16). Na Casa Legislativa, fez mais uma afirmação polêmica: disse que, dentro de sua “concepção cristã”, toda mulher tem o dever de ser submissa ao homem durante o casamento. “Lá dentro da igreja, nós entendemos que no casamento entre homem e mulher, o homem é o líder”, comentou Damares.

“Isso não me faz menos capaz de dirigir este ministério. Não me faz mais incompetente. É uma questão de fé lá dentro do meu segmento”, ressaltou a ministra, durante a audiência da comissão de defesa dos direitos da mulher.

O comentário polêmico da ministra foi dito após um questionamento da deputada federal baiana Alice Portugal (PCdoB). A comunista perguntou o que pensa Damares sobre a proposta de flexibilização da posse de armas de fogo. Alice se referia ao decreto que foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, em janeiro passado.

Damares deu declaração após questionamento da deputada Alice Portugal

Outra parlamentar de esquerda também fez o mesmo questionamento a Damares. Sâmia Bomfim (PSOL), de São Paulo, argumentou que o decreto presidencial tem tudo para ser prejudicial às mulheres brasileiras. Ela ressaltou que os casos de feminicídio podem aumentar em todo o território nacional.

“Tenho sido o mais imparcial possível nesse ministério, por isso deixo elas [perguntas sobre armas] para um segundo momento. O homem mata com os dentes, com a mão. O que nós podemos fazer é um debate bem técnico sobre o impacto disso na violência contra a mulher. Não dá para a gente já dizer que impactou, é tudo uma expectativa de que pode aumentar”, respondeu a ministra de Bolsonaro.

Os deputados de esquerda, quase todos favoráveis ao aborto, instigaram Damares em relação ao tema conflitante. Eles queriam saber da ministra sobre políticas públicas relacionadas ao aborto. Todavia, a ministra firmou mais uma vez sua posição contrária, mas disse que isso “não vai nortear” o Ministério.

“Não vou fazer essa discussão, é uma discussão do parlamento. A política pública com relação ao aborto é desenvolvida pelo ministério da Saúde, então deixa o ministro Mandetta lá cuidando disso, eu vou cuidar de mulheres, vou lutar para que a gente salve mulheres”, respondeu Damares.

Escrito por Carlos

Dinheiro jogado fora: custo anual com a escolta de presos daria para construir 6 presídios federais

Jurista diz que os ministros Toffoli e Moraes “fizeram uma dupla para estabelecer o terrorismo”