in

Você sabia que rosa nem sempre foi de menina e azul nem sempre foi de menino?

Você sabia que rosa nem sempre foi de menina e azul nem sempre foi de menino?
Você sabia que rosa nem sempre foi de menina e azul nem sempre foi de menino?

Em 1918, uma revista publicou que o azul era de menina por ser considerada uma cor mais bonita para as meninas por ser mais deliciado e o rosa era de meninos por trazerem a leveza e a bravura.

O paragrafo exposto acima no artigo foi publicado em 1918, por uma revista de moda infantil americana, voltada para profissionais na área.  E foi encontrado por Jo Paoletti, uma renomada professora de Estudos Americanos na Universidade de Maryland.

“Quando encontrei essa frase ela fez com que a minha vida virasse totalmente de cabeça para baixo” – lembra a professora, em conversa com a BBC News. Afinal, o rosa nem sempre era sido uma cor de menina, e muito o azul uma cor de menino.

A divisão de cores é uma construção social recente. Cem anos atrás, os bebês usavam vestidos brancos, independente qual fosse o sexo da criança. Essas roupas brancas eram muito mais fáceis de serem mantidas limpas. E, além disso, era fácil trocar as fraldas de um bebê vestido com vestido do que com calça.

Paioletti relata que: “Quando as cores forem introduzidas no vestuário infantil, tinham tons mais claros, mas não se importava se era azul ou rosa”. Geralmente, elas eram escolhidas de acordo com o tipo físico do bebê.

O uso das cores varia de acordo com cada região, explica a pesquisadora. Em alguns países totalmente com a religião católica, eram muito comum encontrar azul para o sexo feminino porque essa cor era associada a Virgem Maria. Em outros locais, com a Bélgica e a França, as crianças eram vestidas toda de azul, independente se fosse menina ou menino.

Além disso, outros símbolos de gênero entraram com força na moda infantil, como os corações para meninas e laços, bolas e aviões para meninos. “Hoje em dia as pessoas estão mais interessadas que seus filhos pareçam com o estereotipo de um menino do que a praticidade e conveniência da moda infantil” diz Paioletti.

Um estudo em 2011 foi publicado pela Sociedade de Psicologia Britânia onde foram analisadas a preferencia de cores dos bebês. As crianças tinham idade entre sete meses á 5 anos. Onde cada criança recebeu um par de objetos com as cores rosa e uma segunda cor.

Os pesquisadores observaram e concluíram que, com até um ano de idade, meninos e meninas escolheram objetos cor de rosa de forma bastante semelhante. Ou seja, não havia preferencia de cor por causa do gênero.

Já com dois anos de idade, as meninas passam a preferir a cor rosa. E a partir dê, dois anos e meio, a cor rosa despontou nas meninas no mesmo tempo que a cor passou a ser rejeitadas pelos meninos.

Segundo os pesquisadores, a cor rosa nessa idade é explicada pelo gênero que é dada pelos adultos e acaba sendo absorvida inconsequentemente pelas crianças. Mas, se as mulheres tiverem alguma predisposição biológica pela cor, isso será bastante evidente dependente da aquisição de conceitos de gênero.

Você sabia que existem 4 cidades consideradas satânicas?

Você tem noção do que são aquelas bolinhas fedidas que aparecem na nossa garganta?